Ontem o Cruzeiro entrou em campo para enfrentar a Portuguesa com um único pensamento: resgatar a cautela perdida. A ótima campanha que levou o time celeste a liderança do campeonato nas seis primeiras rodadas era embasada no sistema preferido de Roth, “primeiro você marca, depois você joga”. E vinha dando certo. Mas quando o gostinho do sucesso de experimentar o topo da tabela do brasileirão embebedou o escrete celeste, a cautela foi deixada de lado para que um futebol mais vistoso e menos seguro fosse posto em prática, fazendo com que o time perdesse três partidas seguidas e despencasse para a décima posição do certame.

A queda parece ter acordado o treinador e os principais jogadores cruzeirenses. Logo após a vexaminosa derrota para o Grêmio, todos declararam que o Cruzeiro havia fugido da sua maneira de jogar e que deveria voltar a marcar como outrora. Dito e feito. O time que venceu a Lusa fora de casa lembrou muito mais o Cruzeiro líder jogando mal que o Cruzeiro décimo colocado jogando bem.

O jogo foi feio, mal jogado, decidido mais uma vez com um pênalti duvidoso marcado para os comandados de Roth. Numa jogada de Wellington Paulista, o mais odiado centroavante com média de gols invejada por Messi, Borges foi levemente abraçado pelo defensor da Portuguesa e desabou na área como uma jaca podre. Wellingol, o maior especialista em cobranças de pênaltis do mundo, não se importou em ter Dida, ídolo cruzeirense, a nove metros e quinze centímetros de distância e deslocou o goleiro, marcando seu sexto tento no campeonato e se credenciando a ser o “artilheiro ruim do ano”, prêmio vencido por Josiel, Dimba e tantos outros grandes nomes do passado.

Com a expulsão do já amarelado zagueiro por conta do pênalti, a Lusa ficou ainda mais frágil na partida, mas decidiu partir pra cima do Cruzeiro afim de não sair de seus domínios sem pontos. Para tristeza de seus torcedores, num contra-ataque iniciado por uma cabeçada de Borges no círculo central, Diego Renan esqueceu-se de suas limitações físicas e disparou a correr em direção à meta de Dida, que ainda se recuperava de ter sido vazado por Wellington Paulista, o anjo banguela. Com duas opções de passe, o lateral celeste surpreendeu a todos com um forte chute na direção do goleiro da Portuguesa. Dois a zero e fim de jogo.

Enquanto o Cruzeiro vencia sua partida em São Paulo, o Atlético dominava o Internacional em Belo Horizonte. Sessenta e cinco por cento de posse de bola, mas nenhum susto ao arqueiro colorado. O jogo se encaminhava para o intervalo empatado em 0 x 0 quando os dois camisas dez das equipes resolveram entrar em ação. D’Alessandro, em seu maior estilo gringo descontrolado, passou uma rasteira no jogador atleticano pelas costas, levou o cartão amarelo, peitou o juiz e foi expulso. Uma punição muito rigorosa por parte do apitador, mas serve para os jogadores aprenderem que não devem discutir marcações.

Sem ninguém para chamar a responsabilidade e armar o jogo, o Internacional ficou perdido em campo, esperando o intervalo para se acertar. Então, Guilherme, ótimo atacante que voltava de contusão, acertou um belo chute na trave, que resvalou nas costas de Muriel e foi morrer no fundo das redes do “não tão moderno” novo independência.

No segundo tempo o jogo continuou igual até o Atlético marcar seu segundo gol com Leonardo Silva, num belo chute dentro da área. Quando os jogadores olharam para o placar e o viram marcar 2 x 0, decidiram que não precisariam jogar mais. Tiraram o pé e deixaram o Internacional com a bola. O colorado não deixou por menos e partiu para cima, liderados por Fred, que marcou um gol de cabeça, dando um gás na partida considerada resolvida por muitos. Com o gol sofrido, o time mineiro acordou e começou a ameaçar Muriel novamente a partir de contra-ataques e, numa rápida jogada de Escudero, marcou um belo gol selando a quinta vitória consecutiva do Atlético.

O Cruzeiro, que ocupa a sexta posição do campeonato com 17 pontos, enfrentará o Flamengo em BH na próxima rodada e o Atlético, que continua na liderança da competição com surpreendentes 25 pontos, pega o Sport na Ilha do Retiro.

Anúncios