Eu gosto muito de videogame. Tive tudo quando é console menos na época que você deveria optar por Sony ou Nintendo. Parti pelo caminho do Playstation. Mas, antigamente, tinha Master, Mega, Super Nintendo, Atari, tudo que tinha direito.

Hoje tenho um PS3 e um notebook mais ou menos para jogar meus jogos. No Playstation, joguei muita coisa legal, mas o melhor jogo sem sombra de dúvidas, é Unchaterd 2. A mistura de Indiana Jones com Rambo sem músculos deu muito certo. Para mim é o melhor jogo já feito. Ou pelo menos era. Hoje prefiro Skyrim.

Skyrim tem vários elementos que não gosto. Odeio visão em primeira pessoa. Gosto de ver meu personagem, ter o controle completo dele. Em Skyrim você não tem controle. Às vezes estou tentando andar cuidadosamente por uma caverna para não alarmar possíveis inimigos e acabo batendo sem querer numa caneca jogada no chão, ou numa pá, ou piso em uma armadilha. E isso é muito legal.

A coisa que o pessoal mais reclama de Skyrim é a que mais gosto. A liberdade. Em Skyrim, você é só mais um cara. Ok, você é o dragonborn e tem que salvar o mundo de um dragão do mau, mas tirando isso você não é melhor que ninguém. As pessoas te prendem, tentam te roubar, te matar, dragões loucos aparecem no céu e começam a te atacar do nada. Ninguém te respeita. E ainda te mandam em um tanto de missão. Cada uma mais perigosa que a outra. E essas missões são incríveis.

Eu comecei a jogar meio que muito empolgado e fui aceitando fazer tudo o que todos me pediam. Esqueci completamente da missão original, de matar o tal dragão. Na hora que vi, estava no level 20 e não tinha nem pegado o artefato que os grebeards me pediram.

No meio tempo fui achando coisas muito mais legais para fazer. Uma das minhas missões favoritas foi a de pegar três colares, um de força, um de mágica e outro de vida. Cada um desses colares era protegido por um guerreiro super forte. Descobri que cada um deles era filho de um cara e os colares, na verdade, eram três partes do mesmo. Lá fui eu refazer esse colar, juntando os três que havia conseguido.

Pouco depois me juntei aos Ladrões de Riften e passei a fazer missões super legais com eles. Depois matei uma mulher e uma assassina me chamou para fazer parte do grupo deles. Um dia me embebedei num bar e acabei numa cidade desconhecida. Markath. Sem querer eu matei uns guardas e eles queriam me prender. Fugi de lá e nunca mais voltei.

Entre uma missão e outra, resolvi matar o tal dragão do mau. Já estava no level 40 e acabou sendo muito fácil. Foi legal, mas para mim aquilo não era o fim de Skyrim. Acho que o jogo não tem fim. Ele só vai acabar quando você não desejar jogá-lo novamente. E acho isso impossível.

Anúncios